Buscar
  • Herculano

UM PERIGO QUE NOS RONDA E PARA O QUAL NÃO BASTAM CADEADOS E A BUROCRÁTICA SEGURANÇA PRESENCIAL II

Atualizado: 23 de mai. de 2021



Depois do que publiquei naquilo que competia à polícia civil catarinense apurar, foi a vez vez do Ministério Público validar o que já se tinha colhido como elementos do inquérito sobre a chacina do CDI Aquarelas, de Saudades.


Em síntese, nada mudou. Tudo alinhado.


Primeiro, a entrevista coletiva foi em Pinhalzinho, na distante Oeste, mesmo ela sendo "on line".


Segundo, o nome do criminoso, parece ser algo a ser escondido a todo momento: Fabiano Kipper Mai, de 18 anos. É rara a menção dele.


A longa preparação bem como a rede que se interligava na solidão da internet são mencionadas, mas o que moveu o autor, os contatos, quem o influenciou e porquê disso, pouco se sabe.


Basicamente, tornou-se "um segredo de estado". Isso, na verdade, alimenta e fomenta especulações, inclusive as de ordem políticas, ideológicas e de crença. A polícia e o MP alimentam na estratégia que usam para abafar a razão que alimentou o ato em si e o resultado que ele produziu contra a sociedade.


A verdadeira e simples pergunta ainda não foi nem bem perguntada e ao mesmo tempo, nem respondida: o que moveu a ação pensada e de antecedente preparação de Fabiano? quem são seus mentores e como funciona a sua estrutura psicossocial? O que se quer dizer com acesso a conteúdos inapropriados? E principalmente, contatos com pessoas de pensamentos ruins e violentos? Então tinha mentores, estimuladores ou até, comparsas?


O que verdadeiramente, polícia, MP e outros escondem da sociedade, a quem servem? Quantos Fabianos já foram mapeados aqui em Santa Catarina e foram dela? A imprensa catarinense já foi melhor. Não será surpresa se alguém de fora a colocará mais uma vez sob humilhação.


Atualização das 11h30min, deste domingo dia 23.05.2021. As autoridades estão escondendo o que venho questionando nos meus artigos. Veja isto. É uma repetição e decorrente do que aconteceu em Saudades e que cuidadosamente está escondido da sociedade. O texto é do Catraca Livre, que usa como fonte o jornal Correio Braziliense. A pergunta continua: adiantaria cadeados, muros altos e segurança desarmada, se o que anda armado são os ânimos, a convivência e a educação torta?


Uma jovem de 19 anos que planejava realizar um massacre em uma escola pública do DF foi levada à internação compulsória neste domingo, 23, seguindo decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).


Após a descoberta das ameaças, ela foi encaminhada para a delegacia na última sexta-feira, 21. O crime seria executado na escola no Recanto das Emas, na qual a suspeita estuda.

Na residência, os agentes encontraram dois simulacros de arma de fogo usadas para treinamento, além de máscaras, celulares e anotações. Apesar de a polícia conseguir a confissão do plano, ela foi liberada por não haver flagrante.


A jovem foi levada por policiais da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) e da Divisão de Operações Especiais (DOE) nesta manhã.


O delegado da DRCC Dário Freitas disse em entrevista ao Correio Brasiliense que as investigações continuam, uma vez que pode haver outros suspeitos e novos desdobramentos.