Buscar
  • Herculano

UM GOVERNO À DERIVA

Atualizado: 28 de jan. de 2021

A Educação, devido à robusta verba que administra, virou cobiça de partidos, quando não por alas ideológicas. Pouco importa o produto que ela vai entregar a crianças, jovens e adolescentes para lhes salvar no futuro e competitividade no novo, minguado, especializado e disputado mercado de trabaalho.


Depois do deputado Ismael dos Santos, PSD, de Blumenau, tomar e "nomear" um curioso na área para a pasta de Kleber Edson Wan Dall, MDB, em Gaspar, foi a vez do esquartejado governador Carlos Moisés da Silva, PSL, fazer o mesmo por lá.


É a tentativa de salvar o seu mandato e livrá-los das dificuldades que ele próprio criou para sua governabilidade. Meu Deus!


No acordo de embarque do MDB no governo de Carlos Moisés - depois de batalhar por dois impeachments arranjados na Assembleia e uma CPI que o próprio Ministério Público mandou agora retirar o nome do governador dela -, Carlos Moisés entregou a Educação catarinense a outro curioso, o deputado Luiz Fernando Cardoso, conhecido como Vampiro que usa como marca de votos.


Apropriado.


Só para lembrar aos esquecidos, desinformados e encerrar.


Fernando Vampiro é aquele deputado que na Comissão de Constituição e Justiça recomendou para aprovaação - e conseguiu - o primeiro impeachment do governador, tese política amplamente derrotada no tribunal de julgamento técnico (foto), quando se somaram aos deputados, os desembargadores do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.



Realmente Carlos Moisés da Silva, o incauto, mesmo livre das acusações políticas, está preso nas teias dos políticos que elegemos para nos representar.