Buscar
  • Herculano

SERVIDORES E POLÍTICOS VÃO SER REJUSTADOS EM 4,56% E MAIS DOIS AUMENTOS REAIS NO ANO QUE VEM


Já está na Câmara de Gaspar, em Regime de Urgência, o Projeto de Lei 14/2021. Ele vai conceder a partir deste março aos servidores ativos e inativos da prefeitura, Samae, Fundação de Esportes, Câmara, bem como ao prefeito, vice, secretários e aos vereadores, um reajustes de 4,56%.


A novidade, está na promessa de dois aumentos reais em janeiro do no que vem, ano de eleições e como aconteceu no ano passado, também ano de eleições quando se deu aumentos reais.


Um será de 0,97%, que é a diferença inventada entre o IPCA que regula hoje o reajuste dos servidores e o INPC, a medida usada pela prefeitura para o reajuste de tributos; o outro será de 1,03% a título de ganho real, se não houver perda de arrecadação.


O reajuste e o aumento proposto pelo prefeito Kleber Edson Wan Dall (foto), que possui um dos mais altos salários de prefeito de Santa Catarina (R$27.356,69), totalizam 6,56%.


O Sintraspug - Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Gaspar - já deu aval à proposta em ofício que o presidente Jefferson Debus enviou à prefeitura. Ele, inclusive, foi elogiado em rede social pelo prefeito.


Por isso, a tramitação na Câmara, por ser extremamente vantajosa em tempos de crise sanitária e econômica, e para se encaixar já na folha de pagamento deste mês, será na velocidade de um bala, como foi no ano passado: menos de seis dias entre a entrada do PL na Câmara, tramitação nas comissões, aprovação unânime no plenário e a sanção do prefeito. Uau!


Por outro lado, nesse mesmo ano, os mesmos "velocistas" vereadores que se auto-concederam o reajuste, engavetaram e nunca discutiram uma proposta de um deles e que não se reelegeu, Roberto Procópio de Souza, PDT, para cortar apenas 20% dos subsídios por dois meses e não usar as chamadas diárias em parte daquele 2020, como um "contribuição simbólica e solidária aos atingidos pela crise d Covid-19.


Os aumentos reais do funcionalismo e de políticos, mesmo que projetados para o ano que vem, ano de eleições gerais e com gente do Executivo se ensaiando candidato, é deliberado no momento em que há recomendações de órgãos de fiscalização para que isso não aconteça, em ambiente de grande incertezas sociais, sanitárias e econômicas, diante de grave crise econômica e sanitária, com gente perdendo empregos e empresas, ou tendo seus salários achatados. Acorda, Gaspar!