Buscar
  • Herculano

RODRIGO ESTÁ CRIANDO UM PROJETO POLÍTICO. RESTA SABER QUANDO E COMO O PODER DE PLANTÃO VAI ENSACÁ-LO


Rodrigo, à esquerda, conversa no seu escritório com o ex-prefeito e veterinário, Adilson


Este comentário era para a edição impressa desta sexta-feira do jornal Cruzeiro do Vale. Mas, estourou no espaço limitado de lá. Então vai aqui onde há ampla audiência. Prejudica-se os cantões do município onde não há internet e o jornal impresso ainda é o melhor veículo.


Retomo.


O engenheiro, o professor universitário, o ex-vereador e ex-candidato a prefeito de Gaspar e que mesmo massacrado pela máquina econômica e de votos do poder de plantão, aliado ao vergonhoso desinteresse do seu próprio partido, pois o PL, pelo deputado Ivan Naatz, também estava comprometido com a continuidade dos poderosos daqui, Rodrigo Boeing Althoff, PL, mostra que não desistiu de Gaspar e da política.


Rodrigo voltou a articular. Ele quer continuar sendo uma opção política e bem antes de 2024. Acha que novos ventos os favorecerão.


Rodrigo está se ensaiando candidato a deputado estadual e se preparando para concorrer a prefeito em substituição ao reeleito Kleber Edson Wan Dall, MDB, em 2024. No modelo atual, Rodrigo é oposição.


Sem dinheiro, contra a máquina, contra à ampla aliança do poder, contra tudo e todos, mesmo assim ele conseguiu ser o segundo colocado com 22, 21% dos votos válidos em novembro do ano passado. E aquele resultado é o seu exercício motivador de hoje.


Entretanto, ainda é pouco, muito pouco. Rodrigo, como um técnico, vai aproveitar as suas habilidade. Ele quer esquadrinhar a cidade. Quer estabelecer as prioridades e imprimir inovação como resultados dessa nova busca política.


EM BUSCA DOS SEGREDOS PERDIDOS


Ontem Rodrigo começou uma série de encontros com os ex-prefeitos de Gaspar. Ele quer estabelecer um paralelo entre os sonhos de futuro de ontem, com os de hoje. O primeiro ouvido - devido à proximidade entre eles - foi Adilson Luiz Schmitt, sem partido. Na lista ainda estão Osvaldo Schneider, MDB, Luiz Fernando Poli, PDT, e Pedro Celso Zuchi, PT.


Muito mais do que sonhos pretendidos e não realizados, ou dos que se estabeleceram na nova realidade, Rodrigo deveria descobrir a razão pela qual esses sonhos se tornaram frustações e pesadelos desses ex-prefeitos ao invés de realizações.


Eu aposto que Rodrigo vai descobri-las, fácil: interesses rasteiros e pequenos de pessoas. Naqueles sonhos frustrados, o coletivo naufragou antes mesmo do barco ir às águas para o teste da simples flutuação. Muitos desses "naufrágios", eu fui testemunha.


Retomando, outra vez.


O tema desses encontros? O Planejamento da cidade. Disso, o Rodrigo entende.


E com Adilson o debate foi a mobilidade urbana. Estamos cheios de gargalos, que tendem a se agravar, preferimos as vias congestionadas às de escape interno, e para complicar, agora estamos quase sem transporte coletivo, criado por Zuchi há menos de 20 anos e destruído rapidamente no governo de Kleber.


Interessante essa preocupação técnica, do técnico Rodrigo, todavia, vestido de político.


A ideia é boa. A intenção também. Mas, elas só não são boas para os adversários. Então, é preciso ver se o MDB vai deixar Rodrigo montar esse discurso, pois afronta não só o poder, mas, principalmente, à propaganda marqueteira com dinheiro público de que o que está sendo feito aqui neste momento, está acima da média e com reconhecimento amplo.


VAI COMEÇAR O DESMANCHE


Rodrigo quer ser candidato a deputado estadual e é aí que a porca torce o rabo. O MDB de Gaspar não quer que ninguém daqui se criando como candidato a partir de Gaspar. Por quê? É uma ameaça ao planos de poder eterno e para o imediato 2024.


Mais. O próprio deputado Ivan Naatz - apesar dele saber que não está bem na foto - não só tem a preferência de ser o candidato da região, como também não quer concorrentes no partido hoje, amanhã e sempre.


Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Rodrigo já sabe que para ser uma nova alternativa política terá que procurar um partido viável e onde poderá acomodar suas forças e onde o MDB não possa jogar a carta desse jogo. Na eleição passada, até partido laranja se criou para atacar Rodrigo. E que mesmo assim, se saiu melhor que a encomenda.


No PL, Rodrigo está abafado, desamparado e não consegue ver um grupo coeso a seu favor. E se ficar também será devidamente sufocado pela máquina do MDB, PSD e PP, seus laranjas, infiltrados e que o querem um morto-vivo politicamente em detrimento da vida longa para as velhas raposas políticas na armação - e reunião - de sempre em Gaspar.


Rodrigo está se movimentando. E isto está incomodando o poder de plantão. Resta saber quando e como vão tentar ensacá-lo. Os métodos são amplamente conhecidos. Os jogadores do jogo jogado e fraudado, também. Dificilmente deixarão Rodrigo criar musculatura para enfrentá-los.


Por outro lado, para Rodrigo desta vez, há tempo e oportunidade para isso. Nas eleições de novembro, não havia. Acorda, Gaspar!