Buscar
  • Herculano

QUEM VAI TOMAR O PATRIOTAS DE MARCIANO SILVA EM GAPAR?


Da esquerda para a direita: Marciano, Bolsonaro e Sérgio


O Patriotas é a escolha quase certa do presidente Jair Messias Bolsonaro, sem partido, mas eleito do PSL, para concorrer em 2022. Antes ficou por duas décadas no que é hoje o PP.


O senador pelo estado do Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro, deu a senha ao sair do Republicanos - do general Hamilton Mourão e que não será o vice de Bolsonaro - e assinar a ficha no Patriotas, depois do retumbante fracasso em se criar o partido bolsonarista chamado de Aliança pelo Brasil.


O Patriotas virá de porteira fechada, como queria Bolsonaro e não levou no PSL, impedido nisto, na disputa que travou com Luciano Bivar e que virá o partido dele emagrecer não só por conta disso, mas pela recomposição política que está em curso no país. Para Bolsonaro, só ele pode mandar. Não consegue trabalhar em equipe, respeitar regulamentos e compor, a não ser obrigado para não perder o mandato, como fez com o Centrão.


Retomando.


E como o Patriotas virá de porteira fechada, a pergunta que não quer calar é: quem desta vez tomará de Marciano da Silva, em Gaspar, o Patriotas? Como se sabe Marciano foi um dos primeiro presidente do PSL daqui na era bolsonarista, quando tudo era incerto e havia dúvidas desta onda se tornar um tusnami como aconteceu.


Depois da vitória retumbante do bolsonarismo nas urnas, inclusive em Gaspar, Marciano "foi passado para trás".


E aí o sindicalista e ex-funcionário público, ex-vereador, ex-candidato a vice-prefeito, Sérgio Luiz Bastista de Almeida, que já foi PL e PSDB, se tornou o presidente do PSL numa escolha de bastidores, escondida por meses, feita longe daqui para alavancar a sua candidatura a prefeito de Gaspar.


Resultado: ficou em último lugar nas eleições do ano passado, apesar de uma campanha com ampla verba pública partidária nos limites permitidos pela legislação. Nenhum outro candidato usou tanta verba pública.


Marciano, ficou com o consolo e ganhou o Patriotas. O partido aliás, fez dobradinha com Sérgio Almeida e experimentou do mesmo fracasso. Os bolsonaristas por aqui não conseguiram se unir e se dividiram entre PSL com o Patriotas, o DEM, o penúltimo e até o PL, o segundo colocado com 22,21% dos votos válidos.


Agora, a pergunta que todos daqui fazem e os bolsonaristas de Gaspar já se movimentam nos bastidores pela carniça, é com quem ficará o espólio do Patriotas gasparense? Marciano já colocou as barbas de molho. E mais uma vez dirá, que foi pela causa. Acorda, Gaspar!