Buscar
  • Herculano

PREFEITURA GASTOU R$ 730 MIL PARA FISCALIZAR O ANEL DE CONTORNO. É QUASE IMPOSSÍVEL TER PROBLEMAS LÁ


Da esquerda para a direita: o vereador Dionísio, o plenário da Câmara de Gaspar e o trecho dois do Anel de Contorno


Depois de trocar cinco engenheiros fiscais seus em um espaço de um ano e sob uma saraivada de dúvidas de gente técnica sobre modelo construtivo do trechinho 2 - e de menos de um quilômetro - do Anel de Contorno de Gaspar, a prefeitura de Gaspar resolveu desembolsar R$729.992,24 para uma empresa especialista no assunto, fiscalizar a obra.


A contratada foi a Sotepa Sociedade Técnica de Estudos, Projetos e Assessoria. O contrato e dois aditivos somados deram este valor. O trecho, pista simples, naquilo que já deveria ter nascido com pista dupla e olhando só para demanda presente, sem os custos de fiscalização licitado e aditivado, custou pouco mais de R$10 milhões.


"Eu acho um desperdício. Quando fizemos a Ponte do Vale, os fiscais eram os nossos próprios funcionários públicos", pontuou na Câmara o vereador Dionísio Luiz Bertoldi, PT. Ele é o único que vem fiscalizando e apontando sucessivas possíveis dúvidas técnicas na obra. Alexandro Burnier, PL, está calado neste assunto e os demais onze, pertencem à Bancada do Amém. Por pacto político (MDB, PSD, PP, PDT e PSDB) estão obrigados à defesa do governo.


Retomo.


Em parte discordo do vereador Dionísio. Fez bem a prefeitura em contratar uma empresa terceira e especializada de fiscalização de obras públicas. A empresa assumiu - a partir de então - o risco daquilo que se diz por pitacos na cidade de que ali há falhas técnicas.


É que funcionários públicos, mesmo técnicos, mesmo concursados, sentem-se pressionados hoje em dia pelos políticos no poder de plantão; eles temem colocar em risco à reputação, o registro profissional e até mesmo o emprego público. Foi assim que aconteceu na embromada drenagem da Rua Frei Solano, no bairro Gasparinho.


Teve engenheiro do Samae que não aguentou o tranco e foi embora, por exemplo.


RESPOSTAS, RESPOSTAS, RESPOSTAS


Agora, se não há problemas, qual a razão para a prefeitura de Gaspar atrasar, sucessivamente, e não responder o requerimento 46/2021 do dia 27 de abril do vereador Dionísio? Estamos no 14 de junho. E pela legislação as respostas devem ser dadas em 15 dias. Então...


O vereador Dionísio pede simples e óbvias informações. Respostas que deviam estar na ponta da língua.


Elas, por sua vez, deveriam ser as mínimas da transparência do poder público com a sociedade que lhe sustenta com os pesados impostos, inclusive nesta obra. Também é estranho, que Dionísio não tenha recorrido à Justiça para num mandado de segurança expor e obrigar o prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, naquilo que está devendo por lei a respondê-lo, bem como à cidade.


E por que se atrasa tanto naquilo que é óbvio? Se não for birra contra Dionísio, o que por si só revela a forma vingativa de se governar em Gaspar, aí tem outras coisas!


Um governo eficiente, transparente e que avança como se propaga na cara marquetagem oficial, seria o primeiro a matar a cobra e mostrar o pau, correr para a galera, desmoralizando Dionísio, o que questiona. Simples assim!


Mas, não. Kleber e seus "çabios" preferem - ou necessitam - alimentar a cobra. E o veneno da dúvida se espalha pela cidade e enfraquece o próprio governo.


E a culpa é de quem? Do único vereador de oposição em Gaspar? Não! É do erro que se quer esconder algo pelo cansaço e o corpo fechado que se diz ter, ou então, da errática tática de cansar o denunciante que com isso, só se agiganta ao ser perseverante numa luta só e quase inglória. Meu Deus!


Mais uma dos "çabios" que fazem o governo de Kleber e Marcelo se auto-desgastar.


Para ver e conferir, este é teor do requerimento de Dionísio e que Kleber não conseguiu responder no prazo. Acorda, Gaspar!


Requer documentação referentes às obras do trecho 02 (dois) do Anel de Contorno Viário de Gaspar (entre Avenida Frei Godofredo x Avenida Francisco Mastella), conforme abaixo:


1. Cópia do projeto;

2. Cópia dos Contratos/Aditivos;

3. Cópia do Decreto/Portaria indicando o agente público responsável pela fiscalização de cada obra (Art. 67 da Lei 8666/1993);

4. Cópia dos Diários de Obra, individualizados e em ordem cronológica;

5. Cópia das Notas de Empenhos/Sub-empenhos;

6. Cópia das Notas Fiscais (frente e verso) com relatórios de serviços/materiais;

7. Cópia das autorizações de pagamento das respectivas notas de Empenho e Sub-empenhos;

8. Foi alterado algum material previsto no projeto na execução da obra?

9. Quais os motivos para o atraso da obra, foi tomada alguma medida para agilizar?

10.Qual a previsão da finalização e entrega da obra para a comunidade Gasparense?

11. Na audiência Pública, em 28 de novembro de 2019, o governo municipal apresentou o projeto arquitetônico do trecho 02 do anel de contorno viário de Gaspar, onde havia projetado um elevado, prevendo uma possível implantação futura de uma nova via. Percebe-se, após visita “in - loco”, que no local há apenas uma galeria, diante da situação, questiona-se:

a) Quem autorizou a alteração do projeto?

b) Quais os motivos da alteração?

c) Devido à alteração, ocorreu adequação de valores?