Buscar
  • Herculano

O TEMPO DESMASCARA À FALSA PROPAGANDA DO POLÍTICO

O prefeito de Gaspar, Kleber Edson Wan Dall, MDB, quando candidato à reeleição e que a venceu, postava fotos - e vídeos - nas redes sociais mostrando à espessura do asfalto que ele colocava nas ruas daqui.


Era a garantia da atitude certa, da suposta qualidade do que estava entregando à cidade e principalmente, da suposta longa durabilidade das obras que a sua equipe fazia sob sua orientação. Bom!


As postagens e os recados, todavia, tinham endereço. Ou seja, eram discursos marqueteiros manjados.


No fundo, eram produzidos para desmoralizar o ex-governo petista de Pedro Celso Zuchi, a quem Kleber e os seus - inclusive na Câmara - culpavam por supostamente usar uma "pasta" de asfalto sobre algo sem preparo ou sem infraestrutura adequadas.


Resultado? O "asfalto" logo se esfarelava, obrigando, por isso, a prefeitura, a sucessivos consertos e custos numa obra suposta e tecnicamente mal feita.


Estava certo Kleber que, naqueles dias, temia à volta de Zuchi? Em tese, sim! Entretanto, o tempo é o senhor da razão. E os políticos não conseguem vencer as verdades do "nada como um dia pós o outro". E, unicamente por culpa deles próprios.


E por quê?


É que com a chuva contínua de uma semana, fez crateras na Rua Anfilóquio Nunes Pires, no bairro Bela Vista, em obra, pasmem, entregue há menos um ano.





Ali como o próprio Kleber propagou às vésperas da campanha eleitoral que se fez o tal reforço de solo, melhorias nas drenagens, bem como a colocação total de asfalto novo em 2.128 metros - desde a desabada Havan até a divisa com Blumenau.


Ou seja, supostamente, tudo certinho. E quanto custou? R$3 milhões dos pesados impostos dos gasparenses.


Mas, nem por isso, o governo livrou-se das queixas, cobranças e questionamentos sobre qualidade duvidosa do que se fez e entregou. As redes sociais e aplicativos de mensagens cobraram da prefeitura e dos três vereadores do bairro - recém eleitos e que só vão trabalhar a partir da semana que vem. Show!


Quem deve explicações é Kleber e o ex-secretário de Obras e Serviços Urbanos, Jean Alexandre dos Santos, providencialmente, transferido agora para o Planejamento Territorial para se perpetuar no mando de obras, bem como a empreiteira, por mais conceituada que seja.


Até para não manchar a sua reputação ela precisa ir ao conserto e se ela não é a culpada, apontar os responsáveis por deterioração em algo tão recente. Simples assim!


Quem deve conduzir à solução é o ex-vice prefeito de Kleber e atual secretário de Obras, Luiz Carlos Spengler Filho, PP. E quem não deve entrar nessa dividida, é o vereador novato Alexsandro Burnier, PL, que em tese é oposição e não vai ser "ouvido" por Kleber, Luiz Carlos e será um "sem voz" contra a "Bancada do Amém" a favor do Kleber.


O outro novato vereador do bairro, Cleverson Ferreira do Santos, que é do partido do secretário de Obras, o PP, ferrenho defensor de Kleber, um fiel da Igreja Pentecostal, quando viu que a água buraco poderia lhe respingar, preferiu sir de cena. Preferiu medir a temperatura nos bastidores.


Quem esteve na parada e se justificando aos eleitores nas redes sociais, naquilo que ainda não possui culpa, mas está obrigado por pertencer a coligação de Kleber e do seu parceiro Marcelo de Souza Brick , na Bancada do Amém, foi experimentado Giovânio Borges, PSD.


O que os buracos da recém re-asfaltada Anfilóquio Nunes Pires no padrão Kleber de asfaltar ruas provaram até agora? Que o tempo desmascara a falsa propaganda dos políticos e come mais dinheiro dos pagadores de pesados impostos. Acorda, Gaspar!