Buscar
  • Herculano

O PRESIDENTE DO MDB NÃO FAZ MAIS PARTE DO GOVERNO DE KLEBER


A foto oficial da despedida: à esquerda, o prefeito eleito Kleber e a direita o prefeito de fato, Carlos Roberto Pereira, saindo


Um comunicado lacônico de ambos nas redes sociais, com foto ilustrada de bons amigos e parceiros, informando na desculpa padrão que um ia se dedicar aos projetos pessoais surpreendeu a muitos nesta manhã, mas não a este observador da cena gasparense, muito menos, aos meus leitores e leitoras deste blog, líder em acessos sem ferramentas e granas de impulsionamento.


Eu já tinha escrito sobre este divórcio quase uma dezena de vezes, mas fui, como sempre, desdenhado, desmentido, ironizado e constrangido. Carlos Roberto Pereira, o prefeito de fato, o presidente do MDB de Gaspar, não é mais o titular da poderosa secretaria de Fazenda e Gestão Administrativa, que ele próprio talhou para ele na cara reforma administrativa que aprovou na Câmara em 2017.


Estou mais uma vez de alma lavada. Ou seja, o tempo foi o senhor da razão. Não há como escapar. A coluna com mais de 15 anos e o blog permanecem. Os políticos passam, mesmo ele querendo acabar com a liberdade de expressão. Se o ex-secretário - o que mais tramou contra esta coluna nos últimos quatro anos - quiser dar a sua versão, o espaço continua aberto e plural.


Há vários fatores e preocupações que determinaram esse divórcio e que me parece, ainda, momentâneo. Nenhum dos dois sobreviverão sozinhos. Esta separação terá como divisor até as eleições gerais do ano que vem. O prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB e Pereira, inicialmente, nesta corrida, apenas se protegem , pois poderão estar em lados opostos. Kleber pode até sair do MDB. Mais, do que isso, precisam desatar um nó chamado Marcelo de Souza Brick, PSD, que criaram para se complicarem nos projetos que tinham em comum.


Retomando.


Os fatores deste divórcio vão desde crassos erros na área administrativa, os desgastes naturais da permanência no poder, as vaidades e egos que neutralizam os necessários resultados comuns, bem como até a má avaliação na parte política, passando pelos embates internos que o amplo arco de aliança partidária (MDB, PSD, PP, PDT e PSD) vem produzindo depois de eleger Kleber e tornar a prefeitura, um cabideiro sem fim de empregos, por pessoas sem capacidade em postos chaves, os quais vem trazendo desgastes um atrás do outro para a imagem do governo, a despeito da marquetagem paga com os pesados impostos dos gasparenses.


Por outro lado e encerrando, Kleber quer dar sentido ao seu projeto político cada vez mais ligado a influência da sua mulher Leila, da família dele e principalmente, da igreja Assembleia de Deus. O


sinal mais eloquente disso é que Carlos Roberto Pereira está sendo substituído pelo chefe de gabinete, o presbítero Jorge Luiz Prucinio Pereira, PSDB, até então chefe de gabinete de Kleber. Acorda, Gaspar!