Buscar
  • Herculano

O FEDOR DO LIXO. TUDO CONTINUA NO IMPROVISO EMERGENCIAL EM GASPAR



Não é à toa que este blog é líder de acesso. Possui credibilidade e isso irrita aos preguiçosos e aos que precisam jogar o jogo dos que mandam na cidade.


Eu, por não tem rabo preso com os poderosos no poder de plantão - e nem com seus atuais adversários, diga-se desde logo - e por causa disso não precisar esconder a informação da cidade e dos cidadãos, razão do blog, ou me conter nas minhas opiniões, ou alugar o meu teclado para que os outros se fartem, sou desqualificado e confrontado.


O que escrevi hoje pela manhã aqui sobre a licitação do lixo em Gaspar que estava sendo retomada hoje, depois da confusão da quarta-feira passada, também relatada aqui?


Aliás, este assunto nem na agenda dos meios de comunicação daqui estava. Para quem acha normal idoso vulnerável ir atrás da vacina salvadora se misturando no mesmo ambiente com doente com Covid, este assunto não tem relevância alguma.


Escrevi que.... há uma grande chance de tudo parar no tapetão e se enrolar para mais um contrato emergencial com a própria Racli Limpeza Urbana, de Criciúma e que faz isso aqui emergencialmente, depois de sucessivas experiências de outras.


Na imprensa todos quietinhos. Todavia, as informações são públicas e estão disponíveis a quem se interessar.


Os trabalhos do processo licitatório do Pregão Presencial 023/2021 foram retomados nesta manhã. A Proactiva Meio Ambiente Brasil, de Biguaçu, ficou assistindo de camarote as suas concorrentes entregarem documentos que as tornem habilitadas naquilo que faltou ou foram questionadas.


É que a Proactiva conseguiu uma liminar da juíza Cristina Paul Cunha Bogo, da segunda Vara da Comarca de Gaspar e que impediu à declaração da vencedora do certame, antes que tudo esteja aclarado devidamente como quer a Proactiva.


Eu já tinha escrito antes mesmo deste pregão acontecer que isso teria o desfecho que lhes relato.


O assunto é fedido por natureza e por causa dos envolvidos. É histórico. Foi talhado para acontecer assim. É contrato emergencial, em cima de contrato emergencial nesta área por aqui. E faz anos.


E a prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, seu vice Marcelo de Souza Brick, PSD, seus "çabios" e o presidente do Samae de Gaspar, Cleverton João Bastista, que veio do Samae de Blumenau, sabiam que isso iria acontecer depois do que ocorreu na quarta-feira.


Previsível no fedor.


Tanto que, hoje no Diário Oficial dos Municípios - aquele que se esconde na internet e não tem hora para circular -, no fim da tarde o que apareceu?


Um contrato de dispensa em razão da situação de emergência para que a Racli possa continuar o serviço que já vem fazendo emergencialmente. Tudo se estica por até mais 60 dias, o prazo inicial que se espera por uma solução consensual ou na Justiça de mais esta pendenga no fedor do lixo de Gaspar.


O que escrevi não se trata de adivinhação, é respiração. Quando Cleverton assinou a dispensa para a Racli continuar? Dia 19 de março, repito, 19 de março. O pregão foi no dia 17 de abril.


As empresas que continuam no páreo são a Saays Soluções Ambientais, de Gaspar (R$3.741.282,24), Racli Limpeza Urbana, de Criciúma, (R$4.138.500,00) e a Proactiva (R$4.653.621,60) num edital que a prefeitura estimou gastar, vejam bem, R$6,1 milhões para este tipo de serviço.


E deu bem menos. Acorda, Gaspar!