Buscar
  • Herculano

O CANDIDATO KLEBER ESTUDA MEXER NA DESNUDADA SAÚDE DE GASPAR, MAS PARA FICAR TUDO IGUAL



O prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, de Gaspar - depois que o desastre do Hospital de Gaspar sob sua intervenção a partir da prefeitura foi desnudado pelos próprios números do Hospital nas respostas que deu a dois requerimentos do vereador Amauri Bornhausen, PDT, da ampla base partidária (MDB, PSD, PP, PDT e PSDB) que dá sustentação política ao prefeito na Câmara -, estuda mudar a titularidade da pasta da Saúde.


Quer tirar Silvania Janoelo dos Santos, uma curiosa na área, evangélica e apadrinhada pela mulher de Kleber, Leila. E o primeiro nome da lista para substitui-la é o do vereador José Carlos de Carvalho Júnior, MDB, um dentista, ex-presidente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer, e também ex-secretário de Saúde desde 21 de maio até se desincompatibilizar para concorrer a uma vaga no Legislativo.


No primeiro mandato de Kleber ele teve quatro secretários da Saúde.


Se a substituição acontecer, a média de quatro secretários por mandato será mantida. Isto revela falha nas escolhas bem como a desimportância técnica da área para o atual governo na busca de resultados para a cidade, cidadãos e cidadãs; valem as escolhas pessoais, composições políticas e partidárias para cargos extremamente relevantes à comunidade, principalmente a mais vulnerável.


O ex-secretário de Saúde do governo de Pedro Celso Zuchi, PT, o advogado e vereador Francisco Hostins Júnior, MDB, também foi avaliado.


No fundo, avaliam os servidores efetivos descontentes com a politicagem na pasta, a troca é uma mera formalidade porque todos sabem que Silvania é uma mera passageira dos "çabios" de plantão nesta área, o segundo maior Orçamento Municipal e que se transformou no primeiro, superando até a Educação, diante dos sucessivos recursos extras remanejados que se injetou via o fundo Municipal da Saúde.


A saída de Silvania é para dar a impressão de que se está tomando providências e tentando um novo rumo. No fundo, a intenção é se ter alguém fraco na Saúde, ligado área, de plena confiança e sob rigoroso controle do poder de plantão. A saída de Silvania protege Kleber, sua mulher, a igreja, a campanha eleitoral do ano que vem e a própria secretária.


Entretanto, o grave problema na Saúde Pública e no Hospital de Gaspar continuará na UTI - aliás um equipamento caro, armado com dez leitos e sem utilidade no Hospital -, avaliam técnicos consultados pelo blog, todos temerosos da máquina de punições e que por isso, pedem sigilo das suas opiniões. Acorda, Gaspar!