Buscar
  • Herculano

O BRASIL VIROU, OU FINALMENTE, REVELOU-SE SER UM GRANDE GROTÃO



Para reflexão.


Nesta quinta-feira, enquanto retoco a coluna de amanhã para a edição impressa do jornal Cruzeiro do Vale, fujo aqui um pouco do tema local. Mas, continuo em Gaspar, Ilhota... O Brasil com as descobertas e encenações de ontem e que prometem continuar até nesta sexta-feira com depoimentos em surpreendente hora extra na CPI da Covid no Senado, virou, na verdade, a realidade triste e perigosa do dia-a-dia um grande grotão.


E eu sou testemunha viva disso no grotão.


Tudo aquilo que se faz para intimidar, constranger ou embalar correligionários, concorrentes, adversários, divergentes, os meios de controle e a fragilizada imprensa - quando há - nos pequenos municípios onde as coisas se resolvem na ameaça e nos fatos de fato, onde os poderosos de julgam e arrotam ter - outros provam ter - os corpos fechados, aconteceu - ou está acontecendo - em Brasília. Meu Deus!


E se não fosse a Rede Globo, a Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, CNN e outros, o grotão seria um oásis.


Síntese. Este é o país do grotão. Este é o país da milícia. Este é o país dos "coronés". Este é o país do ditador e seus amestrados. Este é o país da Lei letra morta. Este é o país que manda à merda e ameaça, inclusive, não os que discordam, mas os que trazem provas robustas para o devido processo legal ou investigações.


Esta síntese não é apenas para o caso de possível corrupção com conhecimento pleno - cada vez mais claro - do presidente Jair Messias Bolsonaro, sem partido e de muda para o Patriotas, onde ele quer pôr o nome de "Aliança pelo Brasil", mas principalmente, pelo resultado de sete a quatro do plenário do Supremo a favor da segunda turma do ministro Gilmar Mendes, que julgou o ex-juiz Federal, Sérgio Moro, suspeito, para o que sentenciou e foi ratificado em instâncias superiores contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, PT. Wake up, Brazil!


Na área de comentários, colo outras opiniões mais abalizadas sobre o mesmo tema para a leitura desta quinta-feira.


Para encerrar. Só falta os bolsonaristas e o próprio Bolsonaro usarem os mesmos argumentos que livraram o governador Carlos Moisés da Silva, PSL, do segundo impeachment, o dos respiradores superfaturados, pagos antecipadamente, que não chegaram no lote pedido e nos minguados que aportaram por aqui, não respiravam.


Esse mundo dá voltas. Nada como um dia após o outro. Mas, parece que no caso de Bolsonaro, avisado por funcionário e deputado Federal, fingiu que acionaria a Polícia Federal.


Carlos Moisés, ao menos sentiu o tamanho da encrenca em que se metia e mandou, imediatamente, o gasparense, Delegado Geral Paulo Norberto Koerich, apurar tudinho e apontar os responsáveis no governo e nas suas barbas pela transação inepta. E quem atestou isso foi a própria PF e o MPF.