Buscar
  • Herculano

LULA CANDIDATO, por Elio Gaspari (*)

(*) Artigo publicado nesta quarta-feira nas edições dos jornais O Globo e Folha de S. Paulo


Da esquerda para a direita: a nefasta polarização contra o Brasil de Lula e Bolsonaro, com o protagonismo de oportunidade do STF de Gilmar Mendes. O que ministro revelou ontem, estava engavetado há dois anos, por falta de maioria à sua tese na segunda turma do STF.


O ministro Edson Fachin sacudiu o coreto das autoridades anulando as sentenças de Curitiba contra o ex-presidente Lula, devolvendo-lhe os direitos políticos. Hoje, Lula pode ser candidato a presidente no ano que vem.


O voto de Gilmar Mendes na Segunda Turma ilustrou a suspeição de Sergio Moro. Com a decisão de Fachin o caroço migrou para a elegibilidade de Lula e o previsível desconforto que isso provoca em quem o detesta. Numa frase: “Esse não pode”.


Lula poderá vir a ser condenado por um novo juiz, mas a sentença ficará com cheiro de gol feito durante o replay.


O “esse-não-pode” já custou caro ao Brasil. Em 1950, o jornalista Carlos Lacerda escreveu: “O sr. Getúlio Vargas, senador, não deve ser candidato. Candidato, não deve ser eleito. Eleito, não deve tomar posse. Empossado, devemos recorrer à revolução para impedi-lo de governar”.


Getúlio foi eleito, tomou posse, governou até agosto de 1954, matou-se e entrou na História. A revolução que Lacerda queria só veio dez anos depois.


Lacerda tinha credenciais para vencer a eleição de 1965. Fazia um governo estelar no falecido estado da Guanabara, mas deveria disputar com o ex-presidente Juscelino Kubitschek, que dera ao Brasil “50 anos em 5”. Até os primeiros meses de 1964 circulavam dois tipos de “esse não pode”. A esquerda não queria uma vitória de Lacerda, e uma parte da direita não queria a volta de Kubitschek.


Depois da deposição de João Goulart, a base militar da nova ordem não admitia entregar o poder a JK. Lacerda gostou da ideia e o ex-presidente foi cassado. Por quê? Corrupção. (A sinopse diária que a Central Intelligence Agency deu ao presidente Lyndon Johnson no dia 13 de junho de 1964 contou que o presidente Castello Branco via na proscrição de JK o caminho para um governo “democrático e honesto”. Ele já havia dito que mostrar as provas “seria embaraçoso para a Nação”.) Não era bem assim.


Dias antes, fritando JK, o general Golbery do Couto e Silva, conselheiro de Castello, dividiu uma folha de papel em colunas e listou as “vantagens” e “desvantagens” da cassação de Juscelino Kubitschek. Intitulou-a com a sinceridade que se dá aos papéis pessoais: “Motivação real - Impedir que JK, fortalecido pela campanha contrária, enfrente a Revolução”. E assim Juscelino foi banido da vida pública por dez anos. Quando ele morreu, num acidente de estrada, seu funeral se transformou na maior manifestação popular ocorrida no país desde 1968, quando as ruas foram esvaziadas pelo AI-5.


Sem o “esse-não-pode”, em 1965 os eleitores brasileiros teriam votado em Lacerda ou JK. Nunca na história republicana o Brasil teve dois candidatos tão qualificados. Nem antes, nem depois. Passados os anos, nas duas turmas do “esse-não-pode”, muita gente qualificada reconhecia que qualquer um dos dois teria feito melhor do que se fez. (Lacerda, que defendeu a cassação de JK, dormiu preso num jirau de quartel em dezembro de 1968 e tornou-se uma alma penada na política nacional.)


O “PT não” colocou Jair Bolsonaro na Presidência. Os eleitores podiam ter colocado Geraldo Alckmin, Ciro Gomes ou João Amôedo, mas quem teve mais votos foi o capitão.


Falta mais de um ano para a eleição do ano que vem. Bolsonaro quer um novo mandato e as inscrições estão abertas.