Buscar
  • Herculano

KLEBER, O RELIGIOSO, BONDOSO E GLAMUROSO MAIS UMA VEZ MOSTRA QUE NÃO SUPORTA SER CONTRARIADO


O prefeito Kleber de Gaspar e o deputado Ismael "olhando" o deplorável estado por anos da Rua João José Schmitz, no Bela Vista


Hoje é sábado e normalmente não apareço com "novidades" por aqui. Deixo isso para os diários oficiais, obrigados à propaganda marqueteira para não perder as verbinhas e não serem incomodados na vida mansa deles. Este é o segundo sábado seguido que saio da rotina, até porque as colunas da curta semana que vem - a Santa - já estão prontas.


O vereador Alexandro Burnier, PL, está choramingando pelos cantos e redes sociais. Na verdade, ele está lavando a minha alma outra vez e experimentando do mesmo fel pela segunda vez no seu reduto eleitoral, o Bela Vista. Ou seja, é um método do prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, dos seus "çábios" e da turma que está agarrada nele e no governo por mera necessidade e conceniência.


Num ato político, o prefeito Kleber, com os outros dois vereadores do bairro e pertencentes a Bancada do Amém, Giovano Borges, PSD e Cleverson Ferreira dos Santos, PP, anunciaram e mostraram um papelinho assinado da ordem de serviço para recuperação da pavimentação da Rua João José Schmitz, a que dá acesso ao IFSC, postinho de saúde, escola e o parquinho.


Ufa! Tarde. Mas, antes tarde do que nunca. E se devia ter eleições todos os anos. Os cidadãos e cidadãs agradeceriam o retorno justo dos seus pesados impostos que vão para as mãos dos político para propaganda e até para maldades e discriminação que fizeram com Alexsandro, um dos representantes do povo do bairro Bela Vista.


Alexsandro que não é da turma do prefeito e uma vez ou outra, coloca o dedo na ferida do governo de Kleber em favor do bairro. Só por esses dois fatos, Alexandro foi excluído do falatório. E Alexandro falou sem microfone mesmo, de teimoso e persistente que é, afinal foi um dos que, mesmo quando era suplente, sempre pediu por tal obra para quem ele representa. E na fala, Alexandro parabenizou a todos os envolvidos pela concretização da obra esperada pelo povo do bairro. Que tapa, heim!


Deixo de comentar neste momento qualquer outro aspecto e que há por detrás disso.


O que mostra a atitude desconectada e grosseira de Kleber e seus parceiros políticos? O verdadeiro Kleber que se esconde por detrás da farta marquetagem de homem religioso, bondoso, glamuroso e um governante para todos.


Mostra que a marquetagem esconde uma pessoa vingativa, um governo que descrimina e que não tolera nem oposição, muito menos, simples críticas. Kleber é incapaz de inserir e compartilhar à natural pluralidade política e interesses. Simples assim!


E este fato não é o primeiro que relato aqui. Há inúmeros exemplos espalhados e registrados pela cidade e governo. O primeiro que veio a público e acendeu o alerta vermelho, foi aquele áudio de Kleber enquadrando os comissionados e cargos de confiança para criar clima falso nas redes sociais a seu favor para que se passasse um projeto dele na Câmara.


Aliás, este fato motivo deste artigo nem é o primeiro para Alexsandro. Ele foi alijado das conversas e promoções dos políticos quando da obra do parquinho do Bela Vista. Para viabilizá-lo, foi necessária e significativa verba trazida por Alexsandro via o deputado que representa, Ivan Naatz, PL.


Aliás, este era o ponto da discórdia e não exatamente o papel de fiscal de Alexandro com o qual Kleber não concorda e persegue quem assume esse papel a favor da cidade ou dos eleitores e eleitoras.


A verba do governo de Carlos Moisés da Silva, Republicanos, para a melhoria da rua do Bela Vista, veio via emenda parlamentar do gabinete do deputado Ismael dos Santos, PSD, o novo prefeito de fato de Gaspar. E ele não quis os dividir benefícios. Pior para ele, também em campanha.


Impressionante como a propaganda dos "çábios" não consegue esconder à essência do político Kleber. Tempo e dinheiro perdidos. A tal ponto que Kleber não conseguiu sequer se viabilizar candidato a deputado estadual. E ele não entendeu até hoje a razão disso. Será? Acorda, Gaspar!


TRAPICHE


Tem vereadora em Gaspar preocupado com a Dengue na vizinha Blumenau. Incrível! Lá o caso ganha repercussão na imprensa plural e pressionado, o poder público se movimenta, se explica e age para controlar e educar.


Já aqui, tudo se esconde. Até ontem, sexta-feira haviam três casos confirmados; outros 30 estavam em análise laboratorial e haviam sido descobertos 126 focos no município.


E para dar conta de tudo isso? Só quatro servidores efetivos. Então o melhor é esconder. E a imprensa contribuindo ao invés de alertar ao menos as possíveis vítimas.


A vereadora tem razão em se preocupar com Blumenau. Gaspar é um caso perdido. A Covid-19 mostrou isso. E as atrasadíssimas mudanças na Saúde que anunciei antes de todos e que comento mais uma vez na segunda-feira, não deixam dúvidas desse atraso.


O pessoal do prefeito Kleber Edson Wan Dall, MDB, está culpando a suposta desunião do partido pela implosão da sua candidatura a deputado estadual. Nos bastidores sabe-se que este é o menor dos males pelo qual Kleber traiu o pacto com Marcelo de Souza Bick, PSD, e ficou na prefeitura. Tudo para controlar com mão de ferro o que pode ser um problema para ele e sua turma.


O tempo será senhor da razão como foi até aqui. E eu vinha antes da reeleição de prefeito Kleber advertindo que a candidatura dele a deputado estadual era apenas uma jogada de atração de um concorrente. E foi. Agora, não é mais. E depois sou eu quem exagero.


O governador Carlos Moisés da Silva, Republicanos, almoçou com o prefeito de Ilhota, Érico de Oliveira, MDB. E a relação entre ambos é praticamente irmã.


Quase quatro anos depois, só agora que Kleber Edson Wan Dall, MDB, de Gaspar, o que diz que o seu partido está desunido, tenta uma aproximação com o governador.


Esta aproximação nem deveria ser política e partidária. Agora, provavelmente será. Deveria ser institucional. Gaspar tem uma dificuldade tremenda em construir esse tipo de ponte e não é de hoje.


Para não ir longe pois já vinha desde Pedro Celso Zuchi com a desculpa amarela dele ser do PT, vou ficar a partir do mandato de Adilson Luiz Schmitt, eleito lá em 2004 pelo MDB e que rompeu com o governador Luiz Henrique da Silveira, o ícone do mesmo MDB.


Este relacionamento institucional entre governador e prefeito - em cidades de porte e até de médio - além de mostrar maturidade administrativa e política entre eles, quem ganha de verdade é o cidadão e a cidadã do município. Neste quesito, Ilhota está bem à frente de Gaspar.


Aqui, para não remoer o passado, Kleber muito recentemente não teve sequer o gesto de agradecimento de ir a Blumenau receber do governador Carlos Moisés a ordem de execução da recuperação da Avenida Francisco Mastella.


Em poucos dias ela está quase pronta. Impressionante o gesto de Kleber e a incomum rapidez da obra. Se fosse executada pelo município, com muita sorte ela estaria em algum escaninho esperando a licitação.


E para encerrar mais um sábado de hora extra.


Este é um dos exemplos de carência em Gaspar: pontos de ônibus. Aqui o guarda-chuva da mãe faz o papel para o filho em dias de chuvas na ausência de planejamento e ação dos políticos e gestores da cidade. eles brigam e nós pagamos a conta e ainda votamos neles. Acorda, Gaspar!