Buscar
  • Herculano

GASPAR REINCIDENTEMENTE SE CONTRADIZ NA PROPAGANDA E NOS RESULTADOS DOS POLÍTICOS NA ÁREA DE SAÚDE



Qual o título do próprio press release da segunda-feira, dia 28 da prefeitura de Gaspar: Gaspar esgota, mais uma vez, vacinas contra COVID-19.


Qual a manchete estimulante da área de comunicação da prefeitura de Gaspar no sábado e dos veículos locais, e até regionais, alimentados pelo marketing oficial para alavancar os gestores e políticos que já estão em plena campanha eleitoral para 2022 e 2024, usando a desgraça e a doença como propulsores de suas "conquistas"? Gaspar bate mais um recorde de vacinação neste sábado.


Excelente. A alegoria era boa. A dancinha bem ensaiadinha, interessante. Tinha que comemorar mesmo. Contudo, de outra forma, tirante o marketing, o que significa tudo isso?


Contradições, falta de planejamento e até cheiro de irresponsabilidade.


Ora, se faltou vacinas na segunda-feira, é porque por óbvio houve o uso excessivo delas no mutirão no sábado.


E por quê ele aconteceu? Exatamente para criar um frisson, para se aparecer nas redes sociais e aplicativos sociais dos políticos e gestores públicos com tal resultados. Promoção de heróis naquilo que estão obrigados à cidade e aos cidadãos e para o qual foram eleitos. Nem mais, nem menos.


Eu sou quem exagero?


E o que escrevi neste blog na segunda-feira, que deixou todos pasmos na cidade, e os veículos dependentes de verbas governamentais municipais providencialmente ficaram calados?


PROVA DOS PRIVILÉGIOS E DAS DÚVIDAS POR AQUI NA VACINAÇÃO. O QUE FALTOU EXPLICAR NESTA MANCHETE QUE SE ESPALHOU PELA IMPRENSA DAQUI: "GASPAR BATE RECORDE E IMUNIZA 1.800 PESSOAS COM A PRIMEIRA DOSE EM UM DIA"


A vaidade para aparecer e se vangloriar - para não dizer, humilhar os gasparenses - nas redes sociais, fez pelo uma pessoa moradora de Blumenau há muitos anos mora por lá, com familiares em Gaspar, vir aqui, só para tomar a vacina da Jansen, de uma única dose e se vangloriar de tal façanha.


Se tivesse ficado quieta, nem isso se descobria...


Esse pecado, tem nome e sobrenome: Roni Jean Muller, superintendente da Fundação Municipal de Esportes e Lazer, o mesmo que usou uma pick-up emprestada da secretaria de Saúde - como só eu lhes contei - para torturar moradores do morro do Parapente no final de demana, no sobe e desce, a toda velocidade para levar bicicletas da competição de Down Hill, mas ao arrepio da segurança dos envolvidos e do Código Nacional de Trânsito, além do uso indevido do equipamento.


Um desespero na tentativa de abafar os dois erros crassos. Um tal de apagar as imagens das redes sociais e praguejar mais uma vez contra este espaço. Inacreditável. O errado sou eu, como sempre. Errado é o cidadão que sustenta tudo isso e não pode corar o uso correto dos seus pesados impostos na máquina de empregar amigos e corriligionários.


E por que aconteceu isso por aqui? Porque falta fiscalização, porque a cidade tem dono e porque os que mandam e são donos dela, dizem que ter o corpo fechado com quem deveria exigir que a lei fosse cumprida e até arbitrar punições. E parece que essa gente tem mesmo o corpo fechado. Simples assim.


Tudo se mistura.


A secretaria da Saúde do governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, que troca de secretário de Saúde, como se troca de roupa e quase todos eles curiosos na função, já permitiu que gente de fora de Gaspar, aparentada de novo comissionado, fosse atendida no postinho do Centro, fingindo que era, vejam só, moradora do próprio posto.


Foi outro bafafá. Aprendizado zero. E por quê. Tudo foi, abafado pelo corpo fechado.


O praguejado e o culpado foram eu que mostrei, com documentos, aquele desvio de função e conduta com o dinheiro dos pesados impostos, e contadinho para atender os gasparenses sofridos e que muitas vezes esperam por meses na fila, furada por amigos do poder de plantão.


Falta ao Ministério Público se interessar mais por tudo isso.


E por quê. É que na Câmara, a Bancada do Amém onde estão 12 dos 13 vereadores, não tem nenhuma intenção de colocar a mão nesta cumbuca.


E se colocar, os que fizerem isso também botam em risco o empreguismo que é a mola propulsora dessa aliança sem contrapeso algum contra a sociedade, da transparência e dos pesados impostos gastos. Acorda, Gaspar!