Buscar
  • Herculano

DISPARAM CUSTOS E DESPESAS DO HOSPITAL DE GASPAR. ELE SE TORNOU UM GULOSO ÀS VERBAS PÚBLICAS


Impressionam os didáticos três slides apresentados na sessão desta terça-feira pelo vereador Amauri Bornhausen, PDT. Em tese, o funcionário público municipal é um aliado do governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, e Marcelo de Souza Brick. O material exposto foi mais uma vez sobre as doenças que comprometem à saúde financeira e à necessária busca da transparência sobre Hospital de Gaspar com a comunidade que reclama dele.


Resumindo o que foi exposto até aqui, o Hospital de Gaspar sempre em perpétuo socorro é um guloso nas verbas públicas e sem o equivalente retorno à sociedade. O governo ao invés de aclarar os seus próprios dados, esforça-se para colocar panos quentes em tudo isso. E não é de hoje, e não apenas deste governo para o bem da verdade.


Os dados usados para os discursos de Amauri e sua indignação como cidadão gasparense e fiscal vestido da função de vereador, foram retirados das próprias respostas que o Hospital ofereceu ao representante do povo a dois requerimentos seus. Aliás, já tratei tratei deles em três artigos anteriores expostos aqui no blog, o único, praticamente, a tratar deste assunto até agora em Gaspar e região.


Qual foi a grande sacada do vereador Amauri e que desmontou os discursos dos que estão no poder de plantão?


A sua assessoria, simples e inteligentemente, transformou números brutos que passam despercebidos do público em geral e dos próprios políticos quando querem, em algo visual, palpável e comprável. E eles são impactantes, chocantes, diria. Qualquer os entende. Acima, o slide mostrou que os custos médicos no Hospital de Gaspar aumentaram os impressionantes 66% só neste ano.


Tudo possui explicações. E elas não chegaram ainda ao vereador. Até porque o vereador está atento às tentativas de desqualificação do seu trabalho com os números que ele não os inventou, mas são os oficiais e oferecidos pelo próprio Hospital, após longa e paciente espera.

Adiante.


Mais duas revelações que também impressionam. A primeira delas está no slide acima.


Mesmo com a proibição de não se reajustar os vencimentos no setor público, as despesas com pessoal no Hospital de Gaspar, cresceram 68% neste ano.


Uma ressalva: o Hospital não é público e não estava obrigado a congelar o salário de seus empregados, muito menos não contratar ninguém. É em tese uma entidade filantrópica, cujo dono ninguém sabe direito quem é, sob a marota intervenção municipal. Ou seja, por isso sobrevive, basicamente, das verbas públicas.


Entretanto, como mostrou o vereador na intervenção da semana passada, houve uma diminuição de procedimentos e atendimentos. Ou seja, mais gente, mais salário e menos resultados. É também, outra vez, em tese uma conta que não fecha.


E para completar o exagero, o slide seguinte e ao final do artigo mostra que os custos de atendimento por paciente no Hospital de Gaspar 58% do ano passado para este ano. Saiu de R$561 para R$884. Com isso, foi pelo ralo a tese da produtividade. Explicações? Nenhuma por enquanto. Debate sobre tudo isso? Sufocado.


Na imprensa nada se falou até o momento, a não ser na Rádio Comunitária Vila Nova.


Os emissários do governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB, na única coisa sabida até agora, tentaram pressionar o vereador para não prosseguir com este tipo de exposição, em números oferecidos pelo próprio hospital e que passou pelo crivo censor do presidente da Comissão Interventora, Jorge Luiz Prucino Pereira, ex-chefe de gabinete do prefeito e hoje está interinamente secretário de Fazenda e Gestão Administrativa, ou seja, por onde se libera os recursos que são gerenciados pelo Fundo Municipal de Saúde.


Amauri começou a série de exposições na semana passada na busca de respostas, mas principalmente, à revisão do foco e produtividade para se diminuir as queixas e se ter um Hospital forte e referência. Pressionado, não cedeu até agora aos apelos dos políticos para que tudo ficasse entre poucos e com os mesmos vícios.


O poder de plantão e seus "çábios" estão inconformados porque esse tipo de fiscalização e preocupação do vereador, que segundo eles, poderá causar danos à imagem dos políticos que já estão em plena campanha eleitoral de 2022.


Por enquanto, de verdade, esse tipo de fiscalização está mostrando que há desperdícios, gestão contestável e falta de transparência em algo crucial para a população mais vulnerável na busca de socorro e cura de suas dores e doenças. Gaspar e os gasparenses merecem um hospital técnico, profissional, transparente, livre dos embates políticos partidários e de poder, bem como e principalmente referência para a sua comunidade e a região Acorda, Gaspar!