Buscar
  • Herculano

CANDIDATURA KLEBER NÃO É UM PROJETO DO MDB DE GASPAR. É UMA APOSTA DA IGREJA, AMIGOS E SUA FAMÍLIA


O deputado Ismael dos Santos, PSD, (a esquerda) e Kleber candidatos na dobradinha das igrejas evangélicas em Santa Catarina.


A "oficialização" - ele pode desistir até abril e o que se fez de verdade foi um ensaio, um rompimento para aí sim, iniciar-se nas negociações e ver se com elas decola de verdade - da candidatura a deputado estadual no ano que vem do prefeito reeleito de Gaspar, Kleber Edson Wan Dall, MDB, devido a um arco de alianças que incluiu no ano passado, o PSD, PP, PDT e PSDB, não é unanimidade, nem mesmo dentro do MDB de Gaspar.


E isto eu venho escrevendo há tempos e o tempo tem sido o senhor desta razão. Há fogo no parquinho. Parte da cidade sabe. A imprensa - como sempre explico - está calada por razões óbvias. Como não dependo de verbas públicas, nem de privadas dos amigos do poder que esteja no plantão os que estão a mando dos políticos...


Retornando...


O presidente de honra do MDB, o empresário do ramo imobiliário e ex-prefeito Osvaldo Schneider, por exemplo, não estava no lançamento. Ele faz contas e chora pelos cantos.


O presidente do MDB e ex-prefeito de fato, corrido da poderosa secretaria da Fazenda e Gestão Administrativa, Carlos Roberto Pereira que criou para si na cara Reforma Administrativa de 2017 - o que articulou por anos a candidatura vencedora de Kleber - estava lá, mas magoado e esperando a hora de tudo desmoronar.


Nisso tudo, há duas posturas: uma em público e outra nos bastidores. A cidade inteira sabe também. Kleber igualmente. Os "çábios" que cercam o candidato, da mesma forma.


Estas são duas observações iniciais e necessárias. Entretanto, há muito mais.


A candidatura de Kleber é antes de tudo um projeto pessoal, familiar, religioso e de sua mulher Leila. Eles acreditam que o cavalo está encilhado e Kleber deve pular nele, mesmo não sabendo cavalgar e dominar o bicho na montaria. E vão tentar montar outra equipe para a nova corrida. Simples assim. E é que pode estar o pulo do gato ou a morte dele antes mesmo de tentar este pulo.


E o que fazem os desajeitados quererem a oportunidade? É que agora, esta candidatura também possui o apoio e torcida de uma casta rotulada de empresarial, a sumida, a omissa até, nos pecados e erros da cidade e da gestão; os tais "conselheiros da cidade".


O "lançamento" da candidatura e da entrevista coletiva armada onde não se faz perguntas embaraçosas e por isso, não se convida quem não possui rabo preso com essa gente, ela disse muito deste mundo restrito sem cheiro de povo: pouca gente, novos ricos, engomada, ou puxa-sacos e dependentes, sem votos, em local confinado e muito marketing para fazer parecer que foi algo grandioso.


Eu exagero? Então vejam os registros fotográficos e de vídeo que circulam nas redes e aplicativos de mensagens.


A impressa - uma parte dela sem crédito e sem audiência - que está obrigada pelas verbas que recebe, aplaudiu.


Os colunistas de fora que também estão no mesmo esquema de remuneração com dinheiro dos pesados impostos, fizeram o papel deles sob o falso manto da isenção. Nos templos, já começaram as bençãos e orações, pois sabem que tudo será muito difícil. Afinal, não é preciso ser expert no assunto.


Para não me alongar agora, isto eu explicou melhor amanhã num artigo aqui. Ele está com este título: OS NÚMEROS E A REALIDADE DELES QUE KLEBER TERÁ QUE BATÊ-LOS NA AVENTURA EM QUE LHE METERAM


É possível Kleber ser deputado estadual no esquemão da igrejas e pastores, que fazem do púlpito um palanque permanente sob as mais diversas técnicas e argumentos? É! Mas, exige estratégia e principalmente muito trabalho duro e contínuo, arrumação de freio e criar alianças. Entretanto, esta não é a marca de Kleber e os que o rodeiam, ou os que ainda estão no poder de plantão, ou colocando fogo na fogueira desta aventura.


Retomo para encerrar.


Trata-se inicialmente de uma aventura. Mas, se houver pragmatismo e muito trabalho não custa sonhar e tentar. Por outro lado, todavia, trabalho para essa gente é coisa difícil.


Poucas horas depois do anúncio e da festa oficial, o próprio Kleber, ao invés de estar dando duro nas rodadas de negociações por Santa Catarina afora e gastando sola de sapato, foi tirar férias e se preocupar com miudezas. Meu Deus.


É ou não um sinal de desprezo até para quem o quer candidato, como os seus "çabios" e uma parte da elite da cidade o querem e festejam? Ou arrumaram um ardil para tirar ele e seu grupo do poder no Paço Municipal antes do fim do mandato? Acorda, Gaspar!