Buscar
  • Herculano

CABIDEIRO DE INTERESSES

A se confirmar à anunciada indicação do advogado de Blumenau, Maico Rodrigo Erbetz e que se apresenta como "especialista" em "regularização fundiária", estará provado que a Ditran - Diretoria de Trânsito de Gaspar - é órgão criado para ser cabideiro a políticos e satisfazer o empreguismo como resultado do embate eleitoral.


Foi apresentado. Badalação na imprensa. Chororô no PSD de Gaspar. A comprovação de que não é do ramo. Mas, no Diário Oficial dos Municípios - aquele que se esconde na internet e não tem horário para sair - nada ainda foi publicado.


Maico é amigo pessoal do vice-prefeito, Marcelo de Souza Brick e esta foi a condição que ele ganhou a vaga que estava destinada, no fatiamento do bolo da nova coligação MDB, PSD, PP, PDT e PSDB da prefeitura daqui, ao PSD de Gaspar. Do partido, foi para o amigo e não daqui.


Em tempo. A Ditran é subordinada à "poderosa" secretaria da Fazenda e Gestão Pública, tocada pelo prefeito de fato e presidente do MDB de Gaspar, Carlos Roberto Pereira.


A Ditran, todavia, já foi o melhor exemplo entre as catarinenses e já teve um titular que é referência nacional no assunto: Emerson Luiz Andrade (foto). E devido à sua capacidade e currículo ele não serviu para Gaspar, nem mesmo para as consultorias e cursos que dá Brasil afora por mérito, conhecimento e reconhecimento.


Ah, você é político, é jovem ou perdeu a memória? Vou refrescá-la.


Emerson foi policial rodoviário estadual aqui no postinho do Poço Grande. Ele é graduado em Administração, com especialização em Gestão, Meio Ambiente e Segurança no Trânsito. Foi professor na disciplina de transporte na Univali, em Itajaí, entre outras atividades.


Como se vê, Gaspar prefere ser e continuar grotão, digamos, uma Sucupira da ficção de Dias Gomes. Gaspar e seus gestores - e nãao é de hoje - preferem se estabelecer no improviso, no caos dos amigos e dos políticos pagos com os pesados impostos de todos os gasparenses.


Nada a se espantar até mesmo porque são conhecidas as histórias, pelas quais, sabe-se que infratores adentraram ao gabinete e exigiram a cabeça de agentes de trânsito, simplemente por eles terem cumprido o dever de ofício, onde a lei - supostamente - é igual para todos.


Resumindo: nada vai mudar como escrevi no dia 19 de dezembro e dezenas de artigos antes das eleições de novembro de 2020. Acorda, Gaspar!