Buscar
  • Herculano

BOLSONARO PUNE OS CATARINENSES DO VALE DO ITAJAÍ. SENADORES DÁRIO E AMIM COBRAM PISTA DE NAVEGANTES


Parece ser um título repetido deste blog na mesma semana? Não é! O título apenas retrata à repetição da tentativa governo do presidente Jair Messias Bolsonaro, PL, e do seu ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes Freitas, em passar a perna no desenvolvimento, os eleitores e eleitoras do Vale do Itajaí naquilo que é essencial à região e favorecer outras regiões. Nem mais. Nem menos.


E qual a diferença? É que tem gente com voz ativa no Senado, finalmente, se rebelando. Ufa!


O que aconteceu desta vez?


O presidente da Comissão de infraestrutura do Senado, senador Dário Berger, MDB (foto acima) conforme press release que distribuiu à imprensa, questionou com veemência a decisão do governo federal de suspender a construção de uma segunda pista no aeroporto de Navegantes, privilegiando uma terceira pista no aeroporto de São José dos Pinhais, na Grande Curitiba (PR).


A construção de uma segunda pista constava no plano diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) desde 2013, mas foi retirada no contrato de concessão assinado com a empresa CCR. O debate ocorreu na audiência pública interativa desta terça-feira (7) na Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado, atendendo a um requerimento do senador Esperidião Amin Helou Filho, PP.


Eles percebam à cara-de-pau do governo contra Santa Catarina uma da maiores depositárias de votos ao bolsonarismo: "representantes do governo disseram entender as razões dos senadores catarinenses, mas não se comprometeram com a realização da obra", sublinhou o mesmo press release.


Ou seja, eles sempre dizem que entendem, mas dizem que temos que mandar o dinheiro para o dinheiro para as necessidade dos outros, a farra eleitoral deles ao mesmo tempo que nos sacrificamos em décadas.


Os senadores ainda explicaram que chegou a ocorrer a desapropriação de terrenos para a obra, mas ela foi suprimida pelo governo quando da concessão à empresa CCR de nove aeroportos da Região Sul, entre eles os de Curitiba e Navegantes. O contrato de concessão, com prazo de 30 anos, foi assinado em outubro passado.


Os dois senadores aprovaram na reunião um requerimento solicitando do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, informações sobre a supressão da obra de Navegantes. Dário Berger, que também é presidente da CI, ameaçou não apoiar projetos do governo no Senado, caso seu estado não seja atendido.


Até agora, o senador Jorginho Mello, PL, está quieto. E os defensores do senador, magoados com a iniciativa de Berger e Amim por Santa Catarina e especialmente pelo Vale do Itajaí. E por que? Desnuda forma como Bolsonaro vem maltratando um dos seus mais fortes redutos eleitorais, como fizeram outros governos federais que não tinham compromisso com o Estado, o manso.


Vou lutar com todas as forças para que Santa Catarina não seja discriminada e pague essa conta que não é dela. Não podemos mais aceitar que ano após ano os catarinenses sejam prejudicados na queda de braço com outros estados”, prometeu Dário.


O Ministério da Infraestrutura quer manter a segunda pista morta. Nós vamos lutar para que isso não aconteça”, concluiu Esperidião Amin.


Em abril, quando o governo anunciou a construção da terceira pista em Curitiba, defensores da obra em Navegantes protocolaram uma ação civil pública no Supremo Tribunal Federal e uma representação junto ao Ministério Público Federal, questionando a supressão do projeto da segunda pista no aeroporto catarinense.


Ronei Glanzmann, secretário nacional de Aviação Civil, lembrou que o Ministério da Infraestrutura e a Anac "não se furtaram" a debater o investimento em aeroportos nos últimos anos. Ou seja, para essa gente, finge se interessar e por isso alimentam esse blábláblá eterno enquanto a verba vai para outros locais e se torna realidade fora daqui para onde estava destinada. É uma jogada manjada.


Ronei propôs "encontrar um caminho do meio", reconhecendo que a região do Vale do Itajaí, onde fica o aeroporto de Navegantes, é "pujante" e existe demanda de passageiros e carga na região. Porém, deu a entender que o governo não pressionará a CCR a construir a segunda pista em Navegantes, a menos que a concessionária entenda que o investimento é válido. Ou seja, tudo ficará como tal. Parece até piada do burocrata a serviço do governo: reconhecer a região como "pujante".


Juliana Dantas, gerente de Investimentos, Obras e Qualidade de Serviços da Superintendência de Regulação Econômica de Aeroportos da Anac, explicou que a CCR só assumirá integralmente a operação do aeroporto de Navegantes em 31 de março do ano que vem, após um período de transição, e que há previsão da realização de uma série de obras de melhoria na infraestrutura do aeroporto. Porém, tampouco se comprometeu a apoiar junto à concessionária a construção de uma segunda pista. Suas explicações não convenceram os senadores.


Outra vez, tudo acertadinho contra Santa Catarina entre governo e concessionária, sob as nossas barbas e pagadores não só de pesados impostos como das novas tarifas de embarques


Os investimentos em desapropriação foram jogados fora pelo leilão. Isso é improbidade administrativa. Abandonou-se a segunda pista discricionariamente. A senhora está desvalorizando o papel da Anac ao dizer que a pista sumiu. Não houve audiência pública da Anac para debater a supressão da segunda pista”, queixou-se Esperidião Amin.


Ouça a sonora do senador Berger. É no alvo. É prácabar. Depois de cortar as verbas da duplicação da BR-470 e melhorias em outras rodovias federais, agora o governo Bolsonaro dá outra facada nos catarinenses do Vale do Itajaí. E isso porque está em campanha de reeleição.