Buscar
  • Herculano

A INVERSÃO DOS VALORES. SER OPOSIÇÃO É LINDO. MAS É PRECISO SE ESTABELECER NA COERÊNCIA


Na volta a titularidade à Câmara de Gaspar, o vereador Dionísio Luiz Bertoldi, PT, (foto ao lado) não precisou gastar o verbo para desnudar o modo de perseguir do governo de Kleber Edson Wan Dall, MDB e Marcelo de Souza Brick, PSD. Mas, é preciso tomar cuidado com o passado petista por aqui.


Eu sou parte de perseguido desse passado petista e Dionísio sabe muito bem de tudo. Ele se esquiva e falsamente me diz que não teve nada com isso. É história. E esse passado - não contra este escriba - destrói à coerência que o PT quer de Kleber no presente.


Os leitores e leitoras deste blog já sabiam que o prefeito Kleber descriminou os deputados petistas Padre Pedro Baldissera (estadual) e Pedro Uczai (federal) nas verbas das emendas parlamentares que trouxeram para Gaspar. Dionísio não perdeu a oportunidade e acentuou este ato contra o dinheiro que é dos nossos pesados impostos e não devia ter carimbo de siglas partidárias.


E Dionísio mandou bem quando disse que não precisava gastar diárias da Câmara de Vereadores - num recado direto aos da Bancada do Amém. E devido ao pecado capital, ficaram caladinhos na sessão neste assunto. As diárias e passagens também são feitas de dinheiro público, para ir a Brasília e Florianópolis buscar essas emendas parlamentares, bem como a armação para divulgá-las.


"Eles é que tem que vir aqui. Não são eles que entram nas casas dos eleitores e eleitoras, clubes, associações, igrejas para pedir votos. Somos nós, seus cabos eleitorais" esclareceu Dionísio, naquilo que lê com muita frequência aqui. E ele está certo. Mas, os políticos não tem noção do óbvio e de que alguém está lhes espreitando na comunicação esperta.


Entretanto, vale lembrar, que foi o ex-prefeito petista Pedro Celso Zuchi quem inventou - e Kleber se ornou como um aplicado discípulo de Zuchi e do PT - essas viagens mensais a Brasília, sem agenda prévia e conhecida para o povo, sem prestação de contas públicas do que se conseguiu por lá, e num partido que se diz do povão, o PT.


Dolce vita esta de oposição para dizer que também errou e quando cobrado achou que o errado era o mensageiro da notícia, do fato, do erro. Nada como um dia atrás do outro para lavar a minha alma (mais uma vez). Acorda, Gaspar|!